Laura Hasani/REUTERS
Laura Hasani/REUTERS

Acusado de crimes de guerra, ex-presidente do Kosovo é preso em Haia

Hashim Thaçi teria participado de tortura, perseguição, desaparecimentos forçados e mortes

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 18h21

HAIA - O ex-presidente do Kosovo, Hashim Thaçi, foi preso nesta quinta-feira, 5, em Haia, horas depois de ter renunciado e após ter se apresentado ao tribunal especial que o acusa de crimes de guerra, informou a corte.

O ex-líder guerrilheiro e outros dois acusados "foram transferidos às prisões" da câmara especial que julga os crimes durante a guerra de independência do Kosovo na década de 1990, informou o tribunal.

A promotoria do Tribunal Especial para o Kosovo apresentou acusação contra Thaçi em junho. O ex-presidente é acusado junto com três outros ex-líderes do Exército de Libertação do Kosovo, Kadri Veseli, Rexhep Selimi e Jasup Krasniqi, de quatro crimes de guerra e seis crimes contra a humanidade, incluindo tortura, detenção arbitrária, desaparecimento forçado e o assassinato de cerca de 100 pessoas.

De acordo com a acusação, os quatro suspeitos formaram uma "empresa criminosa conjunta" cujo objetivo era "ganhar e exercer controle sobre todo o Kosovo por meios que incluíam intimidação ilegal, maus tratos, a prática de atos de violência e a expulsão dos considerados oponentes".

Criado em 2015, o tribunal especial do Kosovo investiga crimes cometidos pela guerrilha da independência do Kosovo na Albânia (UCK), principalmente contra sérvios, ciganos e opositores da guerrilha albanesa durante e após o conflito de 1998-99. /AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Kosovo [Europa]Hashim Thaçi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.