Acusado de mandar matar a mulher em lua de mel tenta suicídio

Shrien Dewani é considerado suspeito pela morte de sua mulher; apesar do boletim médico, advogado nega que ele tenha tentado se matar.

BBC Brasil, BBC

25 de fevereiro de 2011 | 07h54

Advogado de Shrien nega que ele tenha tentado se matar

O britânico acusado de ter ordenado a morte de sua mulher durante a lua de mel tomou um coquetel de 46 comprimidos, em aparente tentativa de suicídio ocorrida na noite de domingo passado e revelada na última quinta-feira durante audiência na Grã-Bretanha.

Segundo relatos na corte, Shrien Dewani, 31, foi levado de ambulância a uma enfermaria após sua irmã tê-lo encontrado desmaiado em seu quarto. Ele foi liberado pelos médicos na terça-feira.

Shrien e sua mulher, Anni Dewani, 28, haviam sido sequestrados em 13 de novembro quando passavam de táxi por uma favela na periferia da Cidade do Cabo, na África do Sul. Ele foi libertado sem ferimentos, mas ela foi encontrada morta a tiros.

A partir do depoimento de homens acusados pela morte de Anni, Shrien passou a ser suspeito de ter ordenado o crime, o que ele nega. Um dos acusados disse que o sequestro foi forjado.

Nesta quinta-feira, a Justiça britânica deu permissão para que Shrien permaneça em casa, sob fiança, enquanto aguarda o andamento do processo, após autoridades sul-africanas que investigam o caso pedirem a revogação da fiança por causa da suposta tentativa de suicídio.

O pai de Shrien, Prakash Dewani, prometeu monitorar o filho durante as 24 horas do dia. "Faremos de tudo para mantê-lo seguro e provar sua inocência aos sul-africanos. Vamos garantir que ele enfrente um julgamento na África do Sul para limpar seu nome", disse o pai.

Overdose

Segundo foi dito na corte, Shrien tomou quantidades excessivas de remédios prescritos para conter a ansiedade e ajudá-lo a dormir.

Um dos investigadores sul-africanos, Bem Watson, disse que Shrien sofreu uma "enorme overdose de drogas" após ter dito a sua família que queria morrer.

Watson alegou que a detenção de Shrien é "necessária" para sua segurança.

O advogado de defesa Julian Knowles disse que seu cliente está tendo lapsos de consciência, mas que não tentou suicídio. Seu psiquiatra também negou que ele tenha tentado se matar.

Já os registros médicos de domingo à noite afirmam que Shrien tomou uma overdose "intencional" de três medicamentos.

Shrien, um empresário britânico originário de Bristol, não havia comparecido à audiência prévia, alegando severo estresse pós-traumático e depressão.

A nova audiência ocorrerá em 15 de março, quando a Justiça voltará a revisar a fiança do acusado. Sua extradição à África do Sul será avaliada em 23 de março.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.