Acusado de massacre disputará a presidência da Indonésia

O Partido Golkar, do ex-ditador Suharto, indicou como candidato à presidência da Indonésia o general Wiranto, que chegou a chefe das Forças Armadas sob o regime de Suharto. Wiranto foi indicado por procuradores das Nações Unidas, que o acusam de ter permitido o massacre de cerca de 1.500 pessoas, por tropas indonésias e paramilitares, durante uma campanha de terror para sabotar o referendo que levou à independência do Timor Leste, em 1999.Wiranto rejeita as acusações e diz que elas fazem parte de uma campanha difamatória contra sua candidatura. Pesquisas mostram o general atrás do líder na disputa pela presidência, Susilo Bambang Yudhoyono. As eleições de julho serão o primeiro pleito direto da Indonésia para presidente. Até agora, o chefe de Estado era escolhido pelo Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.