Acusado de massacre diz que está doente e pede ajuda

Um ex-estudante de direito acusado de ter matado o diretor, um professor de direito e outro estudante disse nesta quinta-feira a um juiz que está doente e precisa de ajuda. Peter Odighizuwa foi conduzido algemado e com forte escolta policial ao tribunal do condado de Buchanan. Nigeriano de 43 anos, Odighizuwa, que obteve cidadania americana, foi nesta quarta à faculdade de direito Appalachian para falar com o diretor, L. Anthony Sutin, depois de ter sido jubilado do curso por seu aproveitamento insuficiente. O estudante matou Sutin e o professor Thomas Blackwell, que lhe dava aulas, com uma pistola de calibre 380, disseram as autoridades e outros estudantes. Também matou a estudante Angela Dales, de 33 anos, além de ferir três outros colegas que, segundo o porta-voz da polícia estadual, Mike Stater, estão fora de perigo. A Promotoria acusou Odighizuwa de homicídio premeditado de três pessoas - delito que pode ser punido com a pena de morte -, tentativa de assassinato e uso de arma de fogo. "Eu estava doente, eu estava fora de mim; preciso de ajuda", disse Odighizuwa aos repórteres minutos antes de ouvir as acusações. O juiz disse que iria designar o advogado James Turk para representar o acusado, que permanecerá detido sem direito a fiança até a audiência preliminar do caso, marcada para 21 de março.

Agencia Estado,

17 Janeiro 2002 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.