Acusado de plágio, presidente húngaro renuncia diante do Parlamento

Escândalo surgiu após revista divulgar que grande parte da tese de doutorado foi copiada de diversas fontes

Efe,

03 de abril de 2012 | 01h20

BUDAPESTE - O presidente da Hungria, Pál Schmitt, anunciou sua renúncia nesta segunda-feira, 2, diante do Parlamento, depois de ser acusado de plagiar sua tese de doutorado. O escândalo veio à tona após a revista "HVG" ter divulgado em janeiro que grande parte da tese do presidente teria sido copiada de diversas fontes. Depois de averiguar as tais denúncias, a Universidade de Medicina "Semmelweis" de Budapeste decidiu cancelar o título de doutor de Schmitt na última quinta-feira.

 

Em seu discurso, Schmitt assegurou que decidiu renunciar porque seu caso acabou dividindo a opinião pública e um presidente tem que "simbolizar a unidade da nação". "Diante desta situação, me sinto na obrigação de terminar meu serviço e renunciar meu mandato presidencial", declarou Schimitt. O ex-presidente da Hungria criticou a comissão que decidiu tirar seu título e afirmou que os mesmos tomaram essa decisão sem conhecer sua postura. Antes de finalizar, Schimitt ainda anunciou que apelará essa decisão e levará o caso até os Tribunais.

 

Em comunicado divulgado anteriormente, a Universidade comunicou que uma grande parte da pesquisa do agora ex-presidente consistiu na tradução literal de outras fontes, que, por sinal, não constavam nas notas do trabalho acadêmico. Sob o título "Análise do programa dos Jogos Olímpicos modernos", a tese foi aprovada em 1992, dezoito anos antes de Schmitt assumir o cargo de presidente da Hungria apoiado pelo governante e conservador partido Fidesz.

 

Durante sua Presidência, Schimitt apoiou a política do primeiro-ministro, Viktor Orbán, e aprovou algumas polêmicas leis contra liberdade de imprensa e a separação de poderes, ambas criticadas amplamente pela União Europeia e pelos Estados Unidos. Segundo a legislação húngara, o Parlamento possui um mês para escolher o novo presidente do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.