Acusado de ser informante dos EUA é decapitado no Paquistão

Um homem foi decapitado no noroeste do Paquistão por supostos insurgentes islâmicos por ter sido acusado de colaborar com as forças dos EUA no Afeganistão, do outro lado da fronteira, informaram nesta quarta-feira fontes militares. O corpo foi encontrado na terça-feira à noite na localidade de Angoor Adda, próximo a Wana, a principal cidade da região tribal do Waziristão do Sul, informaram fontes militares paquistanesas que preferiram não se identificar. Segundo as fontes, o homem foi identificado como Khan Mati, um taxista que estava desaparecido há uma semana. Mati fazia viagens freqüentes ao Afeganistão ultimamente e despertou suspeitas de que estaria fornecendo informações aos militares americanos da base de Birmal, próxima à fronteira com o Paquistão. Este é o segundo taxista seqüestrado e assassinado este mês na área de Angoor Adda acusado de ser informante das forças dos EUA. O Waziristão é uma área montanhosa e desértica na fronteira com o Afeganistão povoada por várias tribos da etnia pashtun. Há suspeitas de que vários rebeldes se instalaram na região depois da queda do regime talebã no país, no final de 2001. Nos últimos anos o governo do Paquistão enviou cerca de 70 mil soldados à região para lutar contra os talebãs e seus parceiros da Al-Qaeda que se refugiam na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.