Acusado pelos atentados de 11 de setembro recebe na cadeia documentos secretos

Pelo menos 50 documentos secretos referentes às investigações sobre os atentados de 11 de setembro contra dos Estados Unidos foram entregues, por um incrível erro, a Zacarias Moussaoui, o suposto "vigésimo seqüestrador" que aguarda julgamento em uma prisão da Virgínia. O erro foi cometido pelos promotores federais a cargo da acusação, e que, por lei, devem entregar à defesa cópias dos documentos que serão utilizados nas audiências do julgamento.Mas por um descuido, entre a montanha de papéis entregues a Moussaoui na cela de Alexandria (o acusado, que disse ser membro da Al-Qaeda, mas que não participou dos atentados de 11 de setembro, faz sua própria defesa) havia também documentos secretos sobre dezenas de interrogatórios realizados por investigadores dos ataques.Pelo menos dois documentos contêm, ao que parece, informações delicadas, que se caírem em poder de Moussaoui podem pôr em risco a segurança nacional.Inicialmente, os promotores haviam solicitado à juíza responsável pelo caso, Leonie Brinkema, permissão para entrar na cela de Moussaoui e recuperar os documentos entregues "inadvertidamente" ao detido. Este fato ocorreu em 22 de agosto, mas poucos dias depois a acusação revelou que outros cinco documentos haviam sido entregues a Moussaoui. A busca na cela levou à recuperação dos cinco documentos, mas não dos dois considerados mais importantes do ponto de vista da segurança nacional.No último dia 5, os fiscais escreveram à juíza afirmando que pelo menos outros 43 documentos secretos foram parar na cela de Moussaoui. Como foram entregues literalmente milhões de documentos (a maioria digital, gravados em CD-ROM), os promotores confiavam na hipótese de que o preso ainda não teria tido tempo de ler o material secreto. A juíza ordenou uma nova busca na cela, que depois de dois dias levou ao recolhimento do CD-ROM com as informações secretas. O Departamento de Justiça pediu ao FBI que abra uma investigação para determinar como ocorreu o erro e como evitar que ele se repita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.