Acusado por ataque em Mumbai se diz pronto para forca

O extremista paquistanês Ajmal Kasab, único suspeito de participação nos ataques do fim do ano passado contra Mumbai (ex-Bombaim) a sobreviver ao cerco e ser levado a julgamento, declarou-se hoje pronto para ir à forca e pediu à corte que não tenha piedade dele. "O que quer que eu tenha feito, o fiz neste mundo. Seria melhor ser punido aqui. Seria melhor que a punição de Deus. É por isso que eu me declarei culpado", disse Kasab ao tribunal. A audiência de hoje foi suspensa. O julgamento será retomado amanhã.

AE-AP, Agencia Estado

22 de julho de 2009 | 11h57

Na segunda-feira, Kasab confessou inesperadamente sua participação no cerco, depois de passar meses negando seu envolvimento. Iniciado em 26 de novembro, o cerco se estendeu por três dias e terminou com um saldo de 166 mortos. "Se eu for enforcado por isso, não ficarei incomodado. Não quero nenhuma piedade desta corte. Eu compreendo as implicações da minha confissão do crime", prosseguiu o extremista de 21 anos de idade. O juiz M. L. Tahiliyani precisa ainda acatar a confissão do réu. A promotoria observou que trechos da admissão de culpa não batem com as evidências. Kasab nega ter sido coagido a confessar.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoÍndiaextremistajulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.