Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Associated Press
Associated Press

Acusado por genocídio em Ruanda se diz inocente

Idelphonse Nizeyimana seria um dos responsáveis pela morte de mais 800 mil no país africano 1994

Reuters,

14 de outubro de 2009 | 13h22

O ex-capitão do Exército da Ruanda e ex-oficial da inteligência do país, Idelphonse Nizeyimana, se disse inocente nesta quarta-feira, 14, sobre as acusações de que seria um dos responsáveis pelo genocídio que deixou mais de 800 mil mortos na nação africana em 1994.

 

Veja também:

linkUganda exigirá recompensa de US$ 5 mi por prisão de genocida

 

O Tribunal Internacional para Ruanda, com sede na Tanzânia, acusa Nizeyimana por genocídio, cumplicidade em genocídio, incitação pública e direta ao genocídio e crimes contra a humanidade. O ruandês foi preso em 5 de outubro na Uganda, após entrar no país vindo da República Democrática do Congo.

 

"Nizeyimana disse ser inocente quanto a todas as acusações contra ele. A data para o início de seu julgamento será estabelecida posteriormente", disse o Tribunal por meio de comunicado.

 

Em pouco mais de três meses, a milícia da maioria étnica Hutu matou cerca de 800 mil membros da minoria Tutsi e Hutus moderados em 1994. Os EUA ofereceram uma recompensa de US$ 5 milhões pela captura de Nizeyimana, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que sua prisão foi um grande passo contra a impunidade na volátil área dos Grandes Lagos da África.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.