Acusado por massacre de Beslan é condenado à prisão perpétua

A Corte Suprema da Ossétia do Norte condenou nesta sexta-feira à prisão perpétua Nurpasha Kulayev, único terrorista sobrevivente do comando que em setembro de 2004 promoveu o massacre na escola de Beslan, na qual morreram 331 pessoas, entre elas 186 crianças.Kulayev, que alega inocência, foi considerado culpado de terrorismo, assassinato, tentativa de assassinato de membros das forças de segurança e seqüestro, entre outras acusações, informou a agência oficial Itar-Tass. Após o anúncio da sentença, vários parentes de vítimas do massacre avançaram contra o acusado, tentando agredi-lo.A promotoria, que tinha pedido a pena de morte, anunciou que não vai recorrer. Porém, o advogado do terrorista vai apelar a instâncias judiciais superiores.O julgamento de Kulayev, de 24 anos, começou no dia 17 de maio de 2005. No dia 16 de abril, o terrorista tinha sido declarado culpado de assassinato, tentativa de assassinato, seqüestro, porte e transporte ilegal de armas e participação em grupo armado.A leitura da sentença foi retomada nesta sexta, após vários dias de recesso devido às festas do fim do ano letivo.A organização "A Voz de Beslan", que reúne mães e parentes das vítimas, declarou recentemente que era contra a execução de Kulayev, considerado um "bode expiatório" das autoridades.O terrorista, que foi detido poucos dias depois do massacre, ficará numa penitenciária de segurança máxima, informou a fonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.