Acusado por massacre no Arizona se diz inocente

Jared Loughner, 22, pronunciou-se sobre acusação de tentativa de assassinato contra congressista e seus assistentes.

BBC Brasil, BBC

24 de janeiro de 2011 | 20h57

Loughner é representado por ex-defensora de Timothy McVeigh

O homem acusado de matar seis pessoas e ferir 13 num encontro político em 8 de janeiro no Arizona, nos Estados Unidos, se disse inocente pelo ocorrido.

Jared Loughner, 22 anos, se pronunciou sobre as acusações de tentativa de assassinato contra a congressista democrata Gabrielle Giffords e dois auxiliares dela.

Em breve, ele deve ser interrogado sobre acusações referentes às seis mortes e aos feridos.

Giffords, que foi atingida na cabeça, está se recuperando num centro no Texas.

Preso desde o ataque, Loughner chegou à audiência em meio a um forte esquema de segurança e permaneceu calado durante todo o tempo.

Ataque

No dia do ataque, segundo testemunhas, Loughner atingiu a deputada e, em seguida, começou a atirar contra as dezenas de pessoas que participavam do evento.

O ataque só parou quando ele foi contido por pessoas presentes no local.

Entre os mortos estão o juiz federal John Roll, de 63 anos, Gabe Zimmerman, de 30 anos, que era assessor de Giffords, e a menina Christina Taylor Green, de nove anos.

Para defender Loughner, foi indicada a defensora pública Judy Clarke, que advogou por Timothy McVeigh, responsável pelo massacre em Oklahoma em 1995.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.