Acusados de crimes contra a humanidade em Timor Leste são julgados

A Indonésia começou, nesta quinta-feira os primeiros julgamentos de altos funcionários acusados de crimes contra a humanidade no Timor Leste, em 1999, quando opositores da independência da província desencadearam uma violenta campanha que deixou centenas de mortos. Sob os olhares dos observadores internacionais e dos ativistas de direitos humanos, que haviam pressionado pelos julgamentos, os promotores leram as acusações contra o ex-governador de Timor Leste Abilio Soares e o ex-chefe de polícia do território, general Timbul Silaen.Os réus são entre 2 dos 18 altos funcionários indonésios - inclusive três generais do Exército - indiciados no ano passado por causa da violência que varreu o Timor Leste antes e depois de os eleitores terem aprovado maciçamente a independência, num referendo realizado sob os auspícios das Nações Unidas, em agosto de 1999. Quase 1 mil pessoas foram mortas e a maior parte da infra-estrutura da região ficou destruída pelos soldados e milícias indonésias, ambos contrários à independência.Os dois homens, que foram julgados separadamente na Corte Distrital Central de Jacarta, são acusados de permitir os homens sob seu comando de praticar assassinatos de civis de forma ampla e sistemática. Caso sejam considerados culpados, podem ser condenados à pena de morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.