Adnan Abidi/Reuters
Adnan Abidi/Reuters

Acusados de estupro na Índia devem ter julgamento rápido

Magistrada indiana ordenou que caso seja movido para um tribunal de execuções rápidas

AE, Agência Estado

17 de janeiro de 2013 | 15h17

NOVA DÉLHI - Uma magistrada indiana, Namrita Aggarwal, ordenou nesta quinta-feira, 17, que o julgamento dos cinco acusados do estupro e homicídio de uma estudante de fisioterapia em Nova Délhi, seja movido para um tribunal de execuções rápidas na capital indiana.

O estupro e o homicídio da jovem de 23 anos no mês passado levaram a uma onda de indignação popular na Índia, com a sociedade revoltada com a falta de proteção às mulheres e a impunidade dos estupradores. Os cinco, como foram também acusados de homicídio, poderão ser sentenciados à morte.

A identidade da vítima foi mantida em sigilo. A primeira audiência do julgamento dos acusados deverá ocorrer na segunda-feira.

O crime aconteceu em um ônibus em 16 de dezembro e a vítima morreu alguns dias após o ataque em um hospital em Cingapura, em consequência dos ferimentos que sofreu. Os advogados dos réus afirmam que a polícia pressionou os clientes para confessarem os crimes, espancando um deles. A polícia nega os maus tratos.

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaNova Délhiestupro coletivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.