ADB decide manter nível de empréstimos na Ásia

O Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB, na sigla em inglês) decidiu neste domingo manter o atual nível de empréstimos para apoiar o desenvolvimento econômico, informou a agência de notícias Kyodo. "Vamos manter o nível de empréstimos em cerca de US$ 10 bilhões por ano, mantendo US$ 2 bilhões ao ano, pelos próximos três anos, para a Índia", o principal tomador de empréstimos da instituição, disse o presidente do ADB, Takehiko Nakao.

AE, Agência Estado

05 de maio de 2013 | 18h29

Nakao falou após o fim da reunião de dois dias do conselho de autoridades de bancos centrais do ADB. Líderes de 67 países membros se reuniram para o encontro e discutiram maneiras de lidar com questões como a redução da pobreza, a educação e a igualdade de gêneros na região.

O presidente do ADB também frisou a necessidade de acelerar investimentos em infraestrutura e em integração regional para impulsionar o crescimento econômico. Ele disse estar "impressionado" com o fato de que algumas regiões na Ásia estão buscando desenvolver sistemas sustentáveis de energia e prometeu que a instituição vai oferecer mais apoio para melhorar a situação da energia na região.

O ADB triplicou sua base de capital de US$ 55 bilhões para US$ 165 bilhões em 2009, obtendo os recursos necessários para responder à crise financeira global. Questionado sobre a possibilidade de uma redução de capital no futuro, Nakao indicou que não há outro aumento de capital iminente e que muitos acionistas enfrentam difíceis situações fiscais.

Nakao, que assumiu o comando da instituição em 28 de abril como seu 9.º presidente, também reiterou que os efeitos negativos dos agressivos estímulos de crédito implementados pelos países desenvolvidos serão limitados e que essas políticas monetárias serão positivas para a economia global. "Não acredito que os relaxamentos quantitativos sejam problemáticos para os países emergentes asiáticos", afirmou. A reunião do ano que vem deve ocorrer em Astana, no Casaquistão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ABDempréstimosbanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.