Adeus a Coretta King emociona americanos

Com a bandeira dos EUA a meio mastro, muita música gospel e a presença do presidente George W.Bush e de três ex-chefes de Estado, os americanos despediram-se na terça-feira de Coretta King, que morreu na semana passada. Foi o funeral que seu marido, Martin Luther King, o grande líder dos direitos civis dos EUA, assassinado em Memphis (Tennessee), nunca recebeu. Na opinião de muitos dos mais de 10 mil presentes ao funeral em Atlanta, Geórgia, o acontecimento demonstra que o sonho de igualdade racial de Martin Luther King está agora um pouco mais próximo.O corpo de Coretta King foi velado desde o fim de semana passada no Capitólio de Atlanta, uma honra jamais obtida por uma pessoa negra.A igreja batista New Birth Missionary de Atlanta, onde se realizou o funeral, pouco tem a ver com a igreja Ebenezer, muito mais humilde, onde Martin Luther King pregava e foi honrado após sua morte.Durante o ofício religioso, os discursos dos oradores se alternaram com música gospel, o que deu ao ato um caráter intimista e, ao mesmo tempo, festivo.Filhos presidem cerimônia de despedidaA cerimônia foi presidida pelos quatros filhos de Coretta - Yolanda, Dexter, Bernice e Martin -, e dela participaram personalidades do mundo cultural, político e social. O presidente Bush lembrou que a mulher de Luther King suportou "uma grande perda para dar a gerações de pessoas um país melhor"."Conhecemos Coretta em todas as estações, e havia graça e beleza em cada uma delas", disse Bush, que lembrou que o casal King foi ameaçado diversas vezes e chegou a ter sua casa atacada."Enquanto a história tomava forma, sua dignidade era uma repreensão diária à crueldade e à pequenez da segregação", disse Bush antes de destacar que graças "ao fato de estes pais jovens (o casal King) não terem se deixado intimidar, milhões de crianças que nunca conheceram estão agora vivendo num país melhor e mais acolhedor".O presidente americano ressaltou que Coretta "amou um líder, se transformou numa líder e, quando falava, os EUA a ouviam atentamente, porque sua voz levava a sabedoria e a bondade de uma vida bem vivida"."Hoje Coretta está do outro lado, em paz, descansando, em casa", disse Bush. Por sua vez, o ex-presidente Jimmy Carter disse que, graças ao movimento pelos direitos civis, ele chegou à Casa Branca. Segundo Carter, os King venceram um dos maiores desafios da vida, o de "travar uma luta feroz pela liberdade e a justiça, e fazê-lo pacificamente"."Nosso mundo é um lugar mais amável e doce graças a Coretta King", ressaltou, por sua vez, o ex-presidente George H. W. Bush, pai do atual governante.O ex-presidente Bill Clinton também elogiou a figura de Coretta King e o fez pedindo que ninguém esqueça que ela era "uma mulher real, que viveu, respirou, se enfadou, teve sonhos e decepções".O casal King, acrescentou Clinton, "compreendeu que a dificuldade do êxito não libera uma pessoa da obrigação de tentar".Outra das personalidades presentes no ato, o senador por Massachusetts, Ted Kennedy, declarou que Coretta King foi a pessoa que deu impulso "durante décadas" aos políticos que lutaram pelos direitos civis nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.