Administração Bush é ironizada em cartoon animado nos EUA

A administração do presidente norte-americano George W. Bush e seus principais aliados e adversários viraram desenho animado. Lil´ Bush: Resident of the United States (em uma tradução literal Bushzinho: Residente dos Estados Unidos) tem como pano-de-fundo Bush ainda criança, um aluno malcomportado que tira notas baixas, e diz fazer tudo em nome de Deus. A ficção tem personagens reais: a secretária de Estado, Condoleeza Rice, é apaixonada por Bush e integra uma banda de rock do atual presidente, da qual também fazem parte o vice-presidente Dick Cheney e o ex-secretário da Defesa Donald Rumsfeld, comparsas de Bush em seus desmandos.De acordo com reportagem da agência Reuters reproduzida pela CNN, o canal Comedy Central encomendou seis episódios ao roteirista e produtor Donick Cary, de "Os Simpsons". A previsão é de que o desenho estréie nos Estados Unidos na TV em 2007. Mas, já há alguns episódios disponíveis no You Tube. Entre eles, em Lil´ Bush - Episode 2 - Nuked, Bush e seus amigos ficam sozinhos no Salão Oval da Casa Branca quando George W. Bush, o pai, sai para uma reunião. Mesmo com o pedido do pai para "não fazer bagunça", Bush resolve bombardear os desafetos, entre eles o ditador da Coréia do Norte, Kim Jong-il, e os senadores democratas John Kerry e Hillary Clinton.Bush entra em contato também, através de videoconferência, com um suposto presidente francês, do qual exige a entrega de um carregamento de batatas fritas, só ameaça de detonar armas atômicas.Em outro programa, segundo a CNN, a cantina da escola no qual os pequenos Bush, Condoleeza, Cheney e Rumsfeld estudam oferece de merenda um sanduíche árabe ao invés do tradicional cachorro-quente. O pequeno Bush e os colegas torturam os funcionários da cozinha com métodos iguais aos que foram revelados em fotos durante o escândalo da prisão iraquiana de Abu Ghraib, para que enfim seja restabelecido o cachorro-quente no recreio.No You Tube, segundo a CNN, os episódios já tiveram mais de 230 mil visitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.