Reprodução
Reprodução

Administração de Donald Trump assume site da Casa Branca

O novo presidente americano também passa a ser dono do perfil no Twitter que pertencia a Obama

O Estado de S. Paulo

20 Janeiro 2017 | 18h09

A administração de Donald Trump, o novo presidente americano, já assumiu a gestão do site da Casa Branca. Agora, o endereço exibe as prioridades do governo Trump, que incluem apoio feroz ao reforço de policiamento nas fronteiras, e não contém nenhuma menção às políticas de mudanças climáticas criadas por Obama e o programa de saúde em nível nacional, conhecido como Obamacare, criado pelo ex-presidente.

Na seção de lei e ordem do site, há o seguinte texto. "Nosso trabalho não é fazer a vida mais confortável para quem protesta, quem saqueia ou quem usa da violência para causar disrupção. Nosso trabalho é fazer a vida mais confortável para pais que querem que suas crianças andem nas ruas com segurança. Ou para o idoso que espera por um ônibus. Ou o jovem que sai da escola e vai para casa andando". 

A página de propostas não apresenta nenhum plano novo e pode ser um indicativo de que Trump seguirá com os pontos-chave que apresentou durante a sua campanha. O novo site da Casa Branca também aponta que o novo presidente terá políticas de renegociação ou retirada dos Estados Unidos de acordos comerciais, aumentará o potencial militar do país, reforçará o setor de ciber-segurança, construirá um muro na fronteira com o México e deportará imigrantes que tiverem cometido crimes violentos e não possuírem registro.

Os assuntos relacionados a imigração, inclusive, não ganharam uma seção separada e são mencionados na parte de execução da lei. A promessa de que Trump extinguiria a proteção aos chamados "sonhadores", imigrantes que chegaram aos Estados Unidos quando crianças, não é mencionada, com a segurança em grande escala tendo o foco. "Ele está se dedicando para fortalecer as leis sobre fronteiras, eliminar locais-santuários, que protegem imigrantes ilegais, e dar um fim ao sentimento de ausência de legislação a respeito da imigração ilegal", afirma o texto.

Twitter. Assim como o site da Casa Branca, a conta do presidente dos Estados Unidos no Twitter (@POTUS) passou para as mãos da nova administração. O perfil não conta mais com os tweets feitos por Obama (que foram transferidos para outra conta) e viu sua contagem de seguidores passar de 13 milhões para 5 milhões. A mesma coisa aconteceu com os perfis da ex-primeira-dama, Michelle Obama, do ex-vice-presidente, Joe Biden, e do ex-porta-voz oficial, Josh Earnest. Por enquanto, Trump continua usando seu perfil pessoal (@realdonaldtrump), tendo, inclusive, enviado algumas mensagens durante sua posse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.