Julia Quenzler
Julia Quenzler

Adolescente britânico de 15 anos é condenado à prisão perpétua por incitação ao terrorismo

Jovem de 15 anos, que não teve a identidade revelada em razão da idade, enviou mais de 3 mil mensagens incentivando ataque na Austrália durante o Dia Anzac

O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 09h36

LONDRES - Um adolescente britânico de 15 anos foi condenado nesta sexta-feira, 2, à prisão perpétua por incentivar um ataque terrorista que deveria ter sido realizado em abril, na Austrália, durante um evento em comemoração à 1ª Guerra. O ataque, no entanto, nunca foi executado.

O jovem, que não foi identificado em razão de sua idade, deve cumprir pelo menos cinco anos de prisão, durante os quais receberá ajuda para abandonar sua ideologia extremista, antes que sua sentença possa ser revisada, determinou um juiz de um tribunal de Manchester, no norte da Inglaterra.

O adolescente, que tinha 14 anos quando enviou as mensagens incentivando o ataque contra policiais no evento, este em contato durante o mês de março com um cidadão australiano de 18 anos que decapitaria policiais durante o Dia Anzac, comemorado em 25 de abril da Austrália e Nova Zelândia, para recordar a Batalha de Galípoli, na Turquia.

"Graças a intervenção da polícia da Grã-Bretanha e da Austrália, esse ataque não chegou a ser efetivado", disse o magistrado, para quem a intenção do condenado era que "várias pessoas fossem mortas".

"A revelação nesse caso de que alguém com apenas 14 anos se radicalizou tanto, a ponto de desempenhar esse papel com a intenção de causar mortes, é assustadora", afirmou o juiz.

De acordo com as informações reveladas durante o julgamento, durante nove dias de março o adolescente, radicalizado pela internet, trocou mais de 3 mil mensagens codificadas por meio de um aplicativo móvel com o australiano Sevdet Besim, que supostamente executaria o ataque. 

Besim foi detido na Austrália com uma faca uma semana antes da celebração de Anzac na cidade de Melbourne - além dele, pelo menos cinco adolescentes que também teriam envolvimento com o caso foram detidos. Por sua vez, o jovem britânico, que usa óculos e apareceu ao tribunal com uma com camisa cinza e gravata, foi preso em 2 de abril. A polícia encontrou na casa do jovem , em Blackburn, uma placa de madeira dedicada ao Estado Islâmico.

O adolescente, agora o terrorista condenado mais jovem da Grã-Bretanha, abraçou seus parentes antes de ser levado por agentes para a prisão onde ele vai cumprir sua sentença. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.