Adolescente é condenado à prisão perpétua

Um garoto que tinha 12 anosquando matou uma menina ao imitar lutadores profissionais deluta livre foi sentenciado nesta sexta-feira à prisãoperpétua sem direito à liberdade condicional depois de um juizter-se recusado a descartar sua condenação por homicídio emprimeiro grau (qualificado). Joel Lazarus, juiz do condado de Broward, impôs aobrigatoriedade do cumprimento da sentença por Lionel Tate, hojecom 14 anos, e classificou a morte da menina Tiffany Eunick, deseis anos, como "um assassinato frio, insensível eindescritivelmente cruel". "A evidência de que Lionel Tate é culpado é clara, óbvia einquestionável", disse Lazarus. "E esta evidência sustenta overedicto do júri." O juiz rejeitou os pedidos da defesa para que fosse descartadaa condenação por homicídio qualificado ou para reduzi-la ahomicídio em segundo grau ou homicídio culposo (sem intenção).Também foi rejeitada pelo juiz uma petição da defesa para arealização de um novo julgamento. Lágrimas desceram pelo rosto de Tate quando sua sentença foipronunciada. Sua mãe, que descrevera a morte da menina Tiffanicomo um "trágico acidente", não reagiu à leitura do veredicto.Muitos parentes e amigos da família Tate lamentaram oresultado. Tate foi algemado, teve as pernas acorrentadas e foi levado dacorte para uma prisão. Jim Lewis, advogado de Tate, planejavaapelar. Ele também disse que pediria ao governador Jeb Bush acomutação da sentença. O promotor Ken Padowitz pediu a Lazarus que mantivesse acondenação por homicídio qualificado, definida em 25 de janeiropor um júri após duas semanas de julgamento, mas admitiu queapoiaria um eventual pedido de comutação da sentença. "Estou preparado para unir-me imediatamente à defesa e pedirao governador e ao gabinete a realização de uma reunião declemência para reduzir a pena", disse Padowitz. "De formanenhuma isto é uma indicação de que eu não acredite na correçãodo veredicto." Padowitz não sugeriu qual sentença seria merecida por Tate,mas disse que a redução da sentença seria mais apropriada devidoà idade do garoto. Antes do julgamento, Tate, a mãe Kathleen Grossett-Tate e oadvogado rejeitaram um acordo que oferecia três anos de prisãoem regime fechado, um ano de prisão domiciliar e dez anos deliberdade condicional ao garoto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.