Oinam Anand/ AP
Oinam Anand/ AP

Adolescente de 16 anos é estuprada e queimada viva na Índia

Conselho local ordenou que os acusados do abuso sexual pagassem indenização; decisão irritou homens, que espancaram os pais da jovem antes de atearem fogo nela

O Estado de S.Paulo

05 Maio 2018 | 11h33

NOVA DÉLHI ÍNDIA  - Dois homens queimaram uma adolescente viva em sua casa no leste da Índia, um dia depois de estuprá-la, de acordo com informações divulgadas neste sábado pela polícia, em mais um caso de violência sexual no país. A jovem de 16 anos foi raptada de sua casa quando sua família estava fora, em um casamento, e foi estuprada pelos homens na quinta-feira em um parque florestal do estado de Jharkhand, segundo a polícia local. 

+Guru indiano é condenado a prisão perpétua por estupro de adolescente

A família da jovem denunciou o crime ao Conselho local, que ordenou que os acusados pagassem uma indenização de 50 mil rúpias (US$ 750). O Conselho, uma entidade formada pelos membros mais velhos da comunidade, geralmente resolve disputas, para evitar o sistema judiciário indiano lento e caro.

Segundo a polícia, esta decisão irritou os homens, que espancaram os pais da jovem antes de atearem fogo nela, afirmou à AFP um funcionário da polícia local, Ashok Ram. "Os dois homens fugiram. Uma investigação sobre o caso foi aberta", informou.

+Índia dá sinal verde à pena de morte para estupradores de menores de 12 anos

Ainda neste sábado o magistrado indiano Jitendera Singh mandou prender 14 pessoas acusadas de envolvimento no caso. A Índia reforçou suas leis para os crimes de agressão sexual em 2013, depois de um estupro coletivo em Nova Délhi. Mas a violência sexual é comum no país, com 11 mil casos de estupros infantis registrados em 2015. 

Em 2016, foram registrados cerca de 40.000 casos de estupro na Índia, mas estima-se que muitos mais não foram denunciados porque na patriarcal sociedade indiana as vítimas de crimes sexuais também sofrem de um estigma. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Índia [Ásia]pena de morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.