Fabio Bucciarelli/The New York Times
Fabio Bucciarelli/The New York Times

Adulto vivendo com os pais pode ter deixado pandemia mais letal na Itália e na Espanha, diz estudo

Pesquisadores investigam se a tradição de várias gerações de famílias viver sob o mesmo teto pode ter deixado os mais velhos mais vulneráveis ao coronavírus 

Peter S. Goodman e Emma Bubola / The New York Times, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2020 | 05h00

Francesco Moro não tem certeza como seu pai Flavio, de 65 anos, contraiu o coronavírus, mas acha que pode ter algo a ver com o fato de ele e seu irmão mais velho terem adoecido uma semana antes. Embora sejam adultos, ambos moram com os pais em uma casa modesta em Casnigo, nos arredores de Bérgamo, epicentro do surto na Itália.

Essa lógica chamou a atenção de cientistas sociais que estão explorando uma teoria que pode explicar em parte por que a pandemia foi letal na Itália e na Espanha. Nesses países, um grande número de pessoas em idade ativa vive com os pais, e os mais jovens podem levar o vírus para casa e infectar os idosos, muito mais vulneráveis.

Longe de ser universalmente aceita, a hipótese é alvo de debate, após a publicação de uma pesquisa com o objetivo de encontrar um elo entre a incidência de adultos que vivem com os pais e a morte pelo vírus. Italianos e espanhóis estão insistindo na noção de que um elemento de orgulho cultural – várias gerações de famílias que vivem sob o mesmo teto – agora está sendo interpretado como vulnerabilidade.

O argumento ainda está em desenvolvimento, assim como epidemiologistas e antropólogos especulam sobre a ligação entre aspectos culturais e questões de grande importância. Alguns afirmam que o Japão sofreu menos mortes, pois as pessoas se curvam em vez de apertar as mãos.

Na Itália e na Espanha, uma tendência parece ter se tornado uma importante alternativa, após uma catástrofe econômica forçar legiões de pessoas sem emprego a se refugiar na casa dos pais. Na década após a crise financeira de 2008, a parcela de italianos entre 25 e 29 anos que morava com os pais aumentou de 61% para 67%, segundo o Eurostat. Na Espanha, essa parcela foi de 51% para 63%.

O artigo que provocou a discussão sobre a relevância de tais dados para a pandemia foi escrito por dois economistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, Christian Bayer e Moritz Kuhn. Eles traçaram a porcentagem de pessoas entre 30 e 49 anos que vivem com os pais e as taxas de mortalidade pelo coronavírus em meados de março. Eles descobriram uma correlação impressionante. 

“Não temos um método para descobrir um relacionamento causal”, reconheceu Kuhn. “Mas o que mostramos é que há uma correlação robusta.” 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

No Instituto Peterson de Economia Internacional, em Washington, Jacob F. Kirkegaard, pesquisador sênior, conduziu uma análise semelhante com os dados de mortalidade disponíveis até 25 de março. Seu trabalho mostrou à Itália e à Espanha discrepâncias claras: jovens adultos nesses países tinham duas vezes mais probabilidade de morar com os pais do que na Alemanha, França e Reino Unido. A taxa de mortalidade da Espanha foi mais de três vezes maior do que em outros países; A Itália era pelo menos seis vezes maior.

Demógrafos da Universidade de Oxford divulgaram no mês passado um estudo pedindo aos governos que adaptassem suas estratégias de distanciamento social às condições de cada país, prestando especial atenção às estruturas etárias.

A Itália tem uma das maiores proporções de pessoas idosas do mundo, observou o estudo, com 23% da população com pelo menos 65 anos e graus impressionantes de "contato intergeracional". O fechamento de escolas na Itália parecia arriscado, alertou o estudo, porque muitos pais confiam nos avós para cuidar dos filhos, ampliando a ameaça de transmissão de crianças para idosos.

Essas análises provocaram uma reação conjunta de cientistas sociais na Itália que argumentaram que correlação não é causalidade.

Em um artigo elaborado por economistas da Universidade de Bonn como uma repreensão do trabalho, cinco acadêmicos alertaram que comparar dados através das fronteiras era um exercício cheio de armadilhas metodológicas. Dadas as diferenças entre os testes de país para país, o simples fato de obter uma compreensão precisa das taxas de mortalidade comparáveis ​​ser difícil, se não impossível, distorcia quaisquer conclusões.

Os cientistas geralmente sustentam que o norte da Itália se tornou o local da pandemia na Europa porque grande parte de sua indústria está ligada à China, com pessoas indo e voltando ao país o tempo todo. A densidade da região provavelmente permitiu que o vírus se espalhasse.

Embora os adultos que vivem com os pais possam realmente tornar a pandemia especialmente mortal, os céticos reconhecem que muitas outras características também desempenham um papel. A Itália conta com grandes hospitais centralizados que podem facilitar a transmissão. Fatores de estilo de vida também podem ser fundamentais.

"Aqui na Itália, pode ser estúpido dizer, mas tendemos a ficar próximos", disse Francesco Drago, economista da Universidade de Catania, na Sicília. “Nos tocamos, abraçamos. Isso pode ser outro fator. O ponto é que, sem dados detalhados, microdados, é difícil extrair implicações políticas."

Ele teme que uma culpa sobre o estilo de vida intergeracional possa ser tomada como ímpeto para armazenar idosos em asilos, onde eles correm maior risco de espalhar o vírus entre si, com consequências letais.

 

Na Espanha, o público ficou horrorizado ao saber dos idosos encontrados mortos em asilos, alguns abandonados em suas camas, incluindo duas dúzias em um único centro de Madri.

Mas os pesquisadores por trás da análise demográfica dizem que não estão fazendo julgamentos de valor ou pedindo que as pessoas mais velhas sejam tiradas de suas casas. Eles estão procurando indicadores que possam permitir que os formuladores de políticas protejam as pessoas quando surgir uma ameaça à saúde pública.

"Não existe uma política que sirva para todos", disse Kuhn. "Estamos dizendo que, se você mora em um país onde é muito grande a interação entre gerações, onde os avós normalmente pegam as crianças na escola, então, se uma situação como essa surgir, talvez suas medidas políticas tenham de ser diferentes."/NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.