Adversários devem respeitar iranianos, alerta Ahmadinejad

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, advertiu durante uma cúpula de líderes regionais realizada nesta sexta-feira em Baku que os adversários de seu país devem "começar a respeitar o povo do Irã" e reafirmou que o programa nuclear de Teerã tem fins estritamente pacíficos de geração de energia elétrica.Em discurso pronunciado durante reunião da Organização de Cooperação Econômica, Ahmadinejad disse que "os adversários (de seu país) deflagraram uma guerra psicológica e tentam estabelecer um apartheid nuclear para impedir o povo iraniano de exercer seus direitos inalienáveis".O presidente iraniano reiterou que o programa nuclear de seu país tem fins pacíficos e advertiu: "Recomendo a eles que não repitam as experiências do passado e respeitem o povo do Irã".Segundo ele, são infundadas as acusações feitas pelos Estados Unidos de que o Irã estaria desenvolvendo em segredo um programa nuclear bélico."Trata-se de acusações infundadas levantadas contra nós pelas nações opressoras do mundo. Isso em nada afetará nossa determinação de seguir adiante no caminho do progresso", prosseguiu.Numa clara referência aos EUA e a alguns de seus aliados, Ahmadinejad disse mais tarde que "há dois ou três países querendo limitar o desenvolvimento dos outros. Eles anunciam que, se um determinado país quiser se desenvolver, precisará pedir permissão a eles".Alguns países "têm energia nuclear e até mesmo bombas atômicas, mas eles vêm dizer que nós não temos o direito de desenvolver energia nuclear pacificamente", prosseguiu."Se a produção de material para usinas nucleares é uma coisa ruim, então por que eles fazem isso?", questionou.Ilham Aliev, presidente do Azerbaijão e anfitrião da reunião de cúpula da Organização de Cooperação Econômica, pediu que a tensão em torno do programa nuclear iraniano seja solucionada pacificamente.Além de Azerbaijão e Irã, a Organização de Cooperação Econômica reúne Afeganistão, Casaquistão, Paquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Turquia e Usbequistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.