Advogada de Saddam diz que EUA têm pleno controle de tribunal

O tribunal especial criado para julgar o presidente iraquiano deposto Saddam Hussein é totalmente controlado pelos Estados Unidos, que organizam reuniões entre a defesa e os réus e dão ordens ao juiz, denunciou nesta terça-feira uma jurista engajada na defesa do ex-ditador.A advogada libanesa, Bushra al-Khalil, que foi expulsa da corte pelo juiz Raouf Abdel-Rahman no mês passado, disse acreditar que "uma equipe de juristas americanos participa do julgamento e assiste a todas as sessões a partir de uma sala da qual esses advogados podem ver, mas não podem ser vistos".Durante uma conversa com jornalistas em Beirute, ela disse que essa equipe de juristas americanos supostamente "dirige o trabalho do juiz e dá ordens" por intermédio de notas entregues a Abdel-Rahman, presidente do júri, pelos agentes de segurança que trabalham no tribunal.Funcionários americanos em Bagdá não foram imediatamente encontrados para comentar o assunto, mas já negaram em outras ocasiões acusações de que estariam influenciado inadequadamente o trabalho do júri responsável pelo julgamento de Saddam.O porta-voz da corte, Raed Juhi, qualificou as declarações de Bushra como "infundadas" porque "a corte é 100% iraquiana, as decisões da corte são tomadas pelos iraquianos e ninguém pode influenciar essas decisões".Bushra comentou em outra ocasião que acreditava ter sido expulsa por Abdel-Rahman, um curdo, por ser uma muçulmana xiita defendendo um árabe sunita. Herói nacional Saddam é acusado de promover massacres e campanhas de repressão contra xiitas e curdos durante seu regime de 23 anos de duração.Para Bushra, Saddam é um herói nacional da resistência à invasão de seu país pelos Estados Unidos, que entraram no Iraque sob a alegação de buscar armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas.A advogada contou ainda que os advogados de defesa de Saddam são acompanhados por soldados americanos desde o momento em que desembarcam no aeroporto de Bagdá até a hora de deixar o país.Ainda de acordo com ela, o diretor da equipe de segurança tem diversos assistentes, entre os quais não há nenhum iraquiano, mas somente americanos de origem árabe.Na semana passada, os advogados de defesa de Saddam queixaram-se que os americanos haviam retirado a segurança, deixando-os em perigo. Nos últimos meses, dois membros da equipe de defesa de Saddam foram assassinados por desconhecidos em Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.