Advogada iraniana ganha Prêmio Nobel da Paz

A iraniana Shirin Ebadi, uma advogada especialista em questões que envolvem direitos humanos, é a vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2003, anunciado hoje, em Estocolmo. O Papa João Paulo II era apontado como um dos grandes favoritos ao prêmio, embora a escolha de Shirin não possa ser considerada uma surpresa. Nos últimos 25 anos, ela encabeçou a luta pelos direitos da criança e da mulher no mundo muçulmano.Shirin nasceu em Teerã, mas concluiu seu aprendizado na França. Em 1969, ela se tornou a primeira mulher a ser nomeada juíza na história do Irã. Dez anos depois, no auge da revolução islâmica, deixou o cargo e passou a atuar como advogada.Há três anos, ao receber um prêmio em Bergen, na Noruega, Shirin Ebadi disse que a discriminação sofrida pelas mulheres contradiz os princípios islâmicos.Nos anos 90, a advogada teve participação fundamental na libertação de vários presos políticos em seu país, incluindo o escritor Faradsh Sarkuhi, que hoje vive na Alemanha. Por conta de suas ligações com dissidentes políticos, chegou a ser presa pelas autoridades iranianas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.