Advogado admite ter conspirado com narcotráfico na Colômbia

Um advogado de defesa se declarou culpado de acusações por narcotráfico, reconhecendo que conspirou com um grupo paramilitar de extrema direita da Colômbia, qualificado de terrorista pelo Departamento de Estado. O advogado Richard Canton, de 48 anos, pode ser condenado a pelo menos 11 anos de prisão após declarar perante a juíza federal de distrito, Shirley Wohl Kram, que conspirou para importar e distribuir mais de mil quilos de cocaína junto a membros das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).A organização foi considerada como terrorista pelo Departamento de Estado em setembro de 2001. Canton reconheceu ter conspirado para importar um grande carregamento de cocaína no início do verão de 2001 e participou de negociações para comprar outros 200 quilos em agosto do mesmo ano. "Mantive conversações em Manhattan a respeito do caso", admitiu Canton ao referir-se às negociações realizadas em seu escritório.Uma das acusações feitas a Canton indica que ele acertou o fornecimento para as AUC de fuzis AK-47 e M-16, metralhadoras e granadas que pretendia obter de uma fonte militar hondurenha. Canton, que receberá a sentença em 8 de janeiro, poderia enfrentar até prisão perpétua. Mas o acusado concordou em não apelar se for condenado a passar entre 11 e 18 anos na prisão. Além disso, poderá ser multado em até US$ 8 milhões.O promotor federal James B. Comey considerou o delito "particularmente preocupante, não apenas porque se trata de um esforço para armar uma organização terrorista, como também por ter sido perpetrado por um advogado". "Este advogado de defesa tornou-se simplesmente um criminoso, e por isso será duramente castigado", acrescentou. O advogado de defesa de Canton, Joseph A. Bondy, qualificou o caso como "uma tragédia", mas se negou a discutir o tema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.