Advogado da família Bush está na lista de presidenciáveis da SEC

Embora representantes da Casa Branca não tenham comentado quem será o escolhido do presidente George W. Bush para a presidência da Securities & Exchange Commission (SEC, a correspondente americana à Comissão de Valores Mobiliários), segundo a agência Bloomberg podem ser: o presidente da Nasdaq, Frank Zarb, o ex-juiz federal Stanley Sporkin, o advogado da família Bush, James Doty e o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani. O atual ocupante do posto, Harvey Pitt, apresentou sua renúncia ontem à noite à Casa Branca, prometendo deixar o cargo após garantir uma transição tranqüila da liderança da instituição.Os comissários da SEC são nomeados pelo presidente e devem ser confirmados pelo Senado. Enquanto não houver um nome definido, Bush poderá escolher um dos outros dois republicanos presentes na direção da SEC - Cynthia Glassman e Paul Atkins - para atuar como presidente interino.A saídaA continuidade de Harvey Pitt no cargo tornou-se questionável recentemente porque ele deixou de informar à Casa Branca e a outros comissionários da SEC que William Webster, seu escolhido para o novo conselho de supervisão de contabilidade da indústria, estava sendo investigado em um imbróglio contábil corporativo. Após a revelação da controvérsia, a Casa Branca manifestou apoio a Pitt e a Webster, mas, nos últimos dias, conselheiros do presidente começaram a retirar o suporte a Pitt. A surpreendente decisão de Pitt levanta dúvidas sobre se ele foi pressionado a renunciar e sobre o futuro de Webster, que já tinha indicado recentemente sua disposição em sair do cargo.A renúncia de Pitt, há apenas 15 meses no posto, cria uma confusão na presidência da SEC em uma momento de alta sensibilidade na história das finanças dos EUA. Em meio a um mercado em queda e a um quadro de esfriamento econômico, as grandes empresas e Wall Street tornaram-se epicentro de uma série de escândalos que abalaram a confiança sobre a honestidade dos resultados anunciados pelas empresas e pela transparência no trato com os investidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.