Advogado de Saddam diz que testemunha de acusação mentiu em depoimento

Os advogados da defesa de Saddam Hussein e de sete de seus ex-assessores pediram nesta quarta-feira ao tribunal em que eles estão sendo julgados que abra uma ação legal contra uma das testemunhas de acusação, por falso testemunho. A defesa fez o pedido depois de o presidente da corte, o curdo Rauf Abdel Rahman, permitir a apresentação na sessão desta quarta, a 31ª desde o início do julgamento, em outubro, do conteúdo de dois discos de computador. Num dos discos apresentados pela defesa, uma testemunha de acusação afirma perante o tribunal que Saddam não foi alvo de nenhuma tentativa de assassinato em 1982, em Duyail. O outro mostra imagens da mesma pessoa participando do fracassado atentado contra o então presidente. Os advogados pediram que a testemunha seja julgada por falso testemunho e que o tribunal suspenda o julgamento dos oito acusados até que todos os outros testemunhos sejam verificados. Abdel-Rahman decidiu suspender a audiência para consultar outros juízes sobre a decisão a tomar. O ex-ditador e seus ex-colaboradores são acusados de participação na execução de 148 xiitas iraquianos em 1983, após um julgamento sumaríssimo. Na ocasião, os xiitas foram considerados culpados de uma tentativa de assassinar Saddam, em 1982, na aldeia de Duyail, ao norte de Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.