Reprodução/freesakineh.org
Reprodução/freesakineh.org

Advogado de Sakineh pedirá ajuda ao papa Bento XVI

Encontro ocorre na semana que vem; iraniana aguarda execução

Efe

11 de novembro de 2010 | 11h15

MADRI - Mohammad Mostafaei, advogado de Sakineh Ashtiani, que foi condenada à morte no Irã, se reunirá com o papa Bento XVI, a quem pedirá ajuda para melhorar a situação dos direitos humanos em seu país. "Na semana que vem me encontrarei com ele", disse Mostafaei, que teve que deixar seu país depois que o caso de Sakineh adquiriu repercussão internacional.

 

Veja também:

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

 

O advogado, que atualmente vive exilado na Noruega com sua mulher e sua filha, destacou que quando uma vida corre perigo é preciso solicitar a ajuda que for necessária. "Eu, na qualidade de ativista, pedi ajuda e continuarei pedindo a vários organismos, inclusive ao papa, com quem me encontrarei na semana que vem para melhorar a situação dos direitos humanos no Irã", declarou.

 

Sakineh, de 43 anos e mãe de dois filhos, foi condenada à morte em 2006 por manter relações com dois homens após a morte de seu marido, o que, segundo as leis do país, é considerado adultério. Posteriormente, ela foi acusada de ser cúmplice no assassinato de seu marido. Sakineh permanece na prisão à espera da sentença.

 

O Irã negou que ela será apedrejada, alegando que, embora o sistema judiciário iraniano contemple essa forma de punição, ela já não é mais aplicada no país.

 

O advogado ressaltou que "a situação de Sakineh é específica, mas há muitos outros casos de apedrejamentos e execuções". "Minha intenção é ir a distintas autoridades da comunidade internacional para que tomem decisões que melhorem a situação de outras vítimas e se conquistem maiores liberdades", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
SakinehIrãpapaBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.