Advogado de Strauss-Kahn pede que juiz desconsidere ação civil

Shawn Naunton solicitou ao juiz prazo até 26 de setembro para poder redigir e apresentar esse pedido

EFE

09 Setembro 2011 | 11h36

PARIS - O advogado nova-iorquino do ex-dirigente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn pedirá ao juiz que desconsidere a ação civil movida por Nafissatou Diallo, a camareira que também moveu contra seu cliente uma ação penal por agressão sexual, informou nesta sexta-feira, 9, o jornal "Le Figaro".

 

Em uma moção do dia 26 de agosto, que foi divulgada apenas na quinta-feira, o advogado Shawn Naunton solicitou ao juiz um prazo até o dia 26 de setembro para poder redigir e apresentar esse pedido.

 

Ele também solicitará ao juiz que o advogado Bill Taylor possa representar Strauss-Kahn em Nova York, já que ele só está habilitado a exercer a função em Washington.

 

A defesa de Nafissatou entrou com a ação civil contra Strauss-Kahn em julho, na qual reiterava as acusações e solicitava uma indenização que ainda não teve sua quantia revelada.

 

O processo segue em andamento, e de acordo com o "Le Figaro", o juiz pode pronunciar-se sobre os dois pedidos a partir desta sexta-feira. Também é possível que a defesa da camareira apresente uma ação para que as solicitações dos advogados de Strauss-Kahn sejam rejeitadas.

 

O economista e político francês já foi liberado da ação penal em agosto. Um dos seus advogados não descarta processar Nafissatou se os ataques da defesa da camareira "se tornarem muito indignos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.