Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

Advogado de Trump recebeu de oligarca russo

Michael Cohen se reuniu com Viktor Vekselberg na Trump Tower após a eleição do magnata e assinou contrato de US$ 1 milhão de consultoria com empresa de primo do oligarca

O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 19h29

WASHINGTON - O advogado Michael Cohen, advogado pessoal do presidente dos EUA, Donald Trump, manteve um encontro com um oligarca russo na torre do magnata em Nova York durante o período de transição entre o governo de Barack Obama e o do atual líder.

Cohen se reuniu com Viktor Vekselberg, interrogado na investigação da trama russa e sancionado recentemente pelos EUA, justo antes da posse de Trump, em 9 de janeiro de 2017, segundo um vídeo ao qual tiveram acesso veículos de imprensa americanos.

De acordo com o jornal The New York Times, o encontro foi seguido da assinatura de um contrato em termos de suposta consultoria jurídica no valor de US$ 1 milhão entre Cohen e a firma do primo de Vekselberg, Andrew Intrater, que também compareceu à reunião.

Tanto Vekselberg como Intrater foram interrogados pelo FBI sobre seus vínculos com os pagamentos feitos a Cohen, assim como doações no valor de US$ 300 mil para o Comitê Republicano, afirmou a CNN.

Intrater garantiu que um dos temas abordados na reunião foi a necessidade de reforçar as relações entre EUA e Rússia sob o governo de Trump. Também relatou que ambas as partes tinham acertado repetir o encontro, o segundo de um total de três, durante a posse do magnata e rejeitou que Vekselberg tivesse algum envolvimento no contrato assinado com Cohen.

A reunião ocorreu depois que Donald Trump Junior, filho do presidente, se reuniu no mesmo local com uma advogada russa vinculada ao Kremlin.

Cohen também teria recebido pagamentos da AT&T, da gigante farmacêutica suíça Novartis e da companhia estatal aeroespacial sul-coreana Korea Aerospace Industries através da Essential Consultants, uma companhia do advogado, para facilitar o acesso ao governo. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.