Advogado defende que Mubarak ainda é imune

O advogado do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak concluiu sua defesa neste domingo argumentando que o líder deposto deve ser isentado de acusações criminais porque tecnicamente ainda é o presidente do Egito. Mubarak, que renunciou quase um ano atrás, é acusado de ser cúmplice de mortes de manifestantes durante as revoltas de 18 dias em janeiro e fevereiro, junto a seu chefe de segurança e quatro comandantes da polícia. Se condenados, eles podem receber pena de morte.

AE, Agência Estado

22 de janeiro de 2012 | 13h12

Durante a conclusão da argumentação, o advogado Farid el-Deeb disse ao tribunal que Mubarak não renunciou formalmente e deve gozar de imunidade de acusação. El-Deeb recebeu aplausos de outros advogados de defesa quando concluiu seu pronunciamento. Advogados das vítimas responderam com pedidos de "execução, execução". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMubarakjulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.