Advogado denuncia tortura de presos em Guantánamo

Militares americanos submeteram suspeitos de terrorismo detidos em Guantánamo, Cuba, a tortura, denuncia um advogado australiano que representa alguns dos prisioneiros, mantidos na base militar americana mesmo sem terem sido acusados formalmente de nenhum crime. Richard Bourke, que trabalha há quase dois anos para dezenas de prisioneiros de Guantánamo, disse que técnicas de tortura vêm sendo usadas para extrair confissões.Os métodos adotados pelos americanos ?claramente? cabem na definição de tortura adotada em convenções internacionais, disse Bourke. Segundo ele, as técnicas de interrogatório teriam sido entendidas como tortura até mesmo ?na Idade Média?. No início do ano, autoridades americanas disseram que os presos são tratados de maneira humana, com acesso à prática da religião e a atendimento médico.?Um dos presos descreveu ter sido amarrado a um poste e alvejado com balas de borracha. Eles foram forçado a ficar de joelhos no sol até desmaiar?, disse o advogado, em entrevista a uma rádio australiana. Ele afirma que suas informações vêm de militares americanos e de prisioneiros que foram libertados.

Agencia Estado,

08 de outubro de 2003 | 16h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.