Advogado dissidente chinês está preso no extremo oriente: irmão

As autoridades chinesas prenderam o famoso advogado dissidente Gao Zhisheng no remoto extremo oriente do país, disse o irmão dele nesta segunda-feira, a primeira confirmação do paradeiro de Gao em quase dois anos, em um caso que provocou críticas às detenções secretas praticadas por Pequim.

REUTERS

02 de janeiro de 2012 | 13h21

Gao está detido na Prisão do Condado de Shaya, na região de Xinjiang, sob a acusação de "incitar a subversão do poder de estado", disse seu irmão, Gao Zhiyi, à Reuters por telefone de sua casa na província de Shaanxi, citando um aviso do tribunal.

"Agora finalmente sabemos onde ele está, e espero poder visitá-lo em poucos dias, mas é uma longa distância a percorrer", disse Gao Zhiyi.

O aviso do tribunal é a informação mais clara sobre a localização de Gao Zhisheng desde abril de 2010, quando ele fez contato brevemente com amigos e jornalistas estrangeiros depois de ficar detido em segredo por mais de um ano.

A agência de notícias estatal chinesa Xinhua divulgou no mês passado que Gao Zhisheng havia sido enviado de volta à prisão, pondo fim a sua liberdade condicional por uma condenação anterior. Mas a Xinhua não disse onde ele estava, e seus familiares e partidários acreditam que ele tenha sido mantido preso em segredo pelas autoridades pela maior parte dos últimos dois anos.

Advogado de Pequim defensor dos direitos que lutou em muitas causas condenadas pelo Partido Comunista, Gao foi sentenciado a três anos de prisão em 2006 por "incitar a subversão do poder estatal", uma acusação frequentemente usada para castigar críticos do regime de partido único.

Gao foi sentenciado a cinco anos de liberdade condicional, o que oficialmente o teria poupado da prisão. Mas sua família disse que ele ficou sob constante vigilância e que foi detido diversas vezes neste período. Sua liberdade condicional estava prestes a expirar quando o tribunal anunciou que ele seria enviado à prisão para servir sua sentença.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINADISSIDENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.