Advogado diz que ascensão de Arroyo evitou golpe

A súbita ascensão ao poder filipino da presidente Gloria Macapagal-Arroyo janeiro evitou um golpe de Estado que seria realizado por uma junta militar caso Joseph Estrada continuasse no poder, declarou hoje o secretário de Justiça Hernando Pérez ao Supremo Tribunal.Pérez apresentou hoje os argumentos do governo no caso em que Estrada solicita à corte para que declare sua sucessora apenas como "presidente interina". Perguntado pelo tribunal se o país corria o risco de um golpe de Estado no dia anterior à saída de Estrada do poder, Pérez respondeu: "O perigo começou muito antes daquele dia". Estrada deixou o palácio presidencial em 20 de janeiro, depois que centenas de milhares de filipinos saíram às ruas para pedir a sua renúncia. As manifestações começaram depois de meses seguidos em que surgiam escândalos de corrupção envolvendo o presidente. Em um forte sinal do enfraquecimento de Estrada, a polícia e os militares retiraram seu apoio ao presidente se uniram aos manifestantes. Segundo analistas, Estrada estaria tentando agora resgatar o poder para recuperar a imunidade política, evitando, assim, um processo criminal por corrupção, suborno e desvio de dinheiro público. A corte determinou cinco dias de prazo para que cada lado apresente seus argumentos antes do início das deliberações. Hoje atendendo a um pedido dos advogados de defesa de Estrada, dois dos 15 juízes do Supremo Tribunal se afastaram do caso. Os advogados alegam que os magistrados teriam sido tendenciosos ao apoiar a posse da vice-presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.