AP/Rodrigo Abd
AP/Rodrigo Abd

Advogado pede tratamento igual ao de Fujimori para Humala e Nadine

Os dois ex-presidentes ficarão no mesmo presídio e a ex-primeira-dama será enviada à penitenciária feminina

O Estado de S.Paulo

14 Julho 2017 | 17h01

LIMA - O advogado de Nadine Heredia, o ex-ministro do Interior Wilfredo Pedraza, pediu nesta sexta-feira que seja concedido a sua cliente e ao marido dela, o ex-presidente Ollanta Humala, um tratamento similar ao concedido ao ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), condenado a 25 anos de prisão por lesa humanidade.

"Peço à ministra da Justiça e ao presidente do Inpe (Instituto Nacional Penitenciário) que haja pelo menos um tratamento equilibrado com o de outro ex-presidente", disse Pedraza.

"Eles estão tranquilos, certamente angustiados porque tiveram de deixar seu filho menor (Samin, de 6 anos), que está com um parente", acrescentou o advogado. "Mas estão bem de ânimo, fortalecidos pela decisão de submeter-se à Justiça. Quantos políticos no Peru são capazes disso?", questionou.

O casal, que tem três filhos, se entregou e passou a noite de quinta-feira na carceragem do Palácio de Justiça depois de o juiz determinar 18 meses de prisão preventiva pela acusação de lavagem de dinheiro de doações ilegais feitas pela Odebrecht. Eles seriam transferidos nesta sexta-feira a duas penitenciárias separadas.

Por ironia, Humala ficará no mesmo presídio que Fujimori, contra quem se rebelou sem sucesso em 2000, quando era militar. Fujimori ocupa um amplo espaço, onde se dedica à jardinagem. Nadine, por sua vez, será enviada à penitenciária feminina Virgem de Fátima, em Lima. 

 

O presidente do Peru, Perú, Pedro Pablo Kuczynski, considerou que seu país viveu um dia histórico após a prisão de seu antecessor para que enfrente um julgamento por corrupção. Mas ele disse que era muito triste tudo o que estava acontecendo e espera que o processo contra Humala e Nadine transcorra de forma rápida e transparente."Todo mundo tem direito a uma justiça eficiente e rápida."

Ele também considerou "uma situação trágica e lamentável" para a imagem pública do Peru o fato de ter três ex-presidentes com graves problemas com a Justiça. Ele defendeu a luta contra a corrupção de seu governo e declarou que é bom que o país tenha tomado medidas drásticas, apesar do custo econômico. / AFP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.