Aerolineas Argentinas volta a voar

Depois de cinco meses de paralisação, a Aerolineas Argentinas voltou a voar hoje. O vôo de reinauguração partiu de Buenos Aires e foi em direção a Madri (Espanha), onde chegou pouco antes das 7h (horário local). O Boeing 747, com capacidade para aproximadamente 320 pessoas, chegou à capital espanhola com 120 passageiros, incentivados por uma tarifa promocional de US$ 550.Ainda hoje, às 23h15, o mesmo avião sai de Madri para Buenos Aires (Argentina), uma rota que a partir de agora será diária. Na segunda quinzena de novembro, a previsão é de que a Aerolineas voltará a voar em todas as rotas internacionais que possui: Rio de Janeiro e São Paulo, Auckland (Nova Zelândia) e Sidney (Austrália).A empresa de quase meio século de existência voltou a voar depois de ser vendida pela holding estatal espanhola Sepi para o consórcio Air Comet, do qual fazem parte as companhias aéreas Spanair e Air Plus e a operadora de viagens Marsans.Ainda assim, segundo o jornal argentino La Nación e espanhol El Mundo, a Aerolineas continua com a dívida de cerca de US$ 1 bilhão, o principal motivo para sua venda. A Sepi se recusava a colocar mais dinheiro na companhia se não pudesse executar um programa de reestruturação que causaria demissão de uma parcela dos 7 mil funcionários da empresa. Somente cinco dos sete sindicatos ligados à Aerolineas na época concordaram com a proposta da holding espanhola, o que gerou um impasse que culminou com a venda da companhia depois da oferta de cinco interessadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.