Aeronáutica prepara hospital de campanha no Haiti

Começou hoje, em Porto Príncipe, no Haiti, o trabalho de instalação do Hospital de Campanha da Aeronáutica (HCAMP) em uma área ao lado da base brasileira General Bacelar. Segundo informações da Força Aérea Brasileira (FAB), o espaço fica no bairro de Tabarre, a dez quilômetros do centro da capital haitiana. A equipe, formada por 48 militares da área de saúde, é formada por profissionais de várias especialidades da medicina, enfermagem, odontologia e farmácia. Ao todo, são 17 módulos, que incluem centro cirúrgico, unidade de terapia intensiva (UTI), raio X, laboratório e espaços para atendimento ambulatorial. O HCAMP atenderá urgências e emergências, com capacidade de realizar cirurgias e de socorrer pacientes graves. Os profissionais e o material chegaram em duas aeronaves da FAB no final da noite de ontem (15).

AE, Agencia Estado

16 de janeiro de 2010 | 15h39

"Viemos aqui para ajudar e temos um grupo muito experiente que já atuou em diversas situações de calamidade no Brasil e no exterior. A expectativa é muito grande de toda a equipe. Todos sabem que é um trabalho árduo, mas bastante gratificante. Somos formados e treinados para isso", disse o chefe do HCAMP, Brigadeiro-Médico José Maria Lins Calheiros. Ele é um dos profissionais da equipe que estiveram nos terremotos do México e El Salvador, na década de 1980. O Brigadeiro explicou que será aperfeiçoada a infraestrutura do local de atendimento preparado por equipes de engenharia do Exército.

A expectativa é que os atendimentos comecem ainda hoje. "Fiquei até emocionada quando fui chamada. Uma população que está sofrendo tanto. Quanto mais crianças eu puder ajudar, eu vou fazer com muita alegria. Nós vimos no caminho do aeroporto para a base que a situação é bastante difícil", disse a pediatra Marly Castro, que é Capitão da FAB.

O HCAMP é um hospital móvel para curto período de internação e destinado a atender feridos em combate, composto de módulos (barracas) climatizados, que podem ser montados em diversas configurações, dependendo da necessidade. No Haiti, a unidade estará em sua configuração completa, com módulos adicionais para internações de curto período, além dos que servem ao atendimento ambulatorial.

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremotohospital

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.