AFP PHOTO / JOHN THYS
AFP PHOTO / JOHN THYS

Aeroporto de Bruxelas está ‘tecnicamente pronto’ para funcionar de forma parcial

Zona de check-in e despacho de bagagens foi devastada pela explosão de duas bombas no dia 22 de março. Desde então, local permanece fechado

O Estado de S. Paulo

01 Abril 2016 | 08h34

BRUXELAS - O aeroporto de Bruxelas, cuja área de check-in foi devastada por um duplo atentado terrorista em 22 de março, está "tecnicamente pronto" para retomar parcialmente suas operações, mas não haverá "voos de passageiros até a noite de sexta-feira (1º)”, indicou o operador do aeroporto em um comunicado.

"A última etapa para retomar as atividades é uma aprovação formal por parte das autoridades políticas", acrescenta, razão pela qual ficou decidido "não organizar voos de passageiros certamente até sexta-feira". O comunicado não informa quando "as instâncias competentes" tomarão a decisão formal.

A zona de check-in e despacho de bagagens do aeroporto foi devastada pela explosão de duas bombas no dia 22 de março. Desde então o aeroporto permanece fechado. Os ataques no Aeroporto Internacional de Zaventem e na estação de metrô de Maelbeek deixaram 32 mortos e mais de 300 feridos.

Depois de uma simulação em infraestruturas temporárias, "o aeroporto está tecnicamente pronto para retomar os voos de passageiros", indica o comunicado. "A Brussels Airport Company recebeu autorização do serviço de bombeiros e da Direção Geral de Transporte Aéreo (DGTA)", acrescenta.

As infraestruturas instaladas em poucos dias permitirão receber 800 passageiros por hora para as partidas de Bruxelas. Segundo o comunicado, isso corresponde a 2,5 milhões de passageiros por ano, "o que representa 20% da capacidade normal do aeroporto".

O aeroporto de Bruxelas emprega direta ou indiretamente 20 mil pessoas.

Antes dos atentados, o operador reivindicava um tráfego de passageiros de 23,5 milhões de pessoas e 489 mil toneladas de carga por ano. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Bruxelas terror na Europa aeroporto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.