Aeroviários de estatal paquistanesa mantêm greve

Uma greve de funcionários, que chega ao quarto dia, mantém em solo todos os aviões da empresa estatal de aviação do Paquistão. Em alguns locais houve violência quando a polícia entrou em confronto com os grevistas. A Pakistan International Airlines (PIA) é a maior empresa aérea do país e a principal operadora de voos domésticos. Pelo menos 250 voos foram cancelados desde o início da greve, na última terça-feira, 8, informou o porta-voz da PIA, Mashhood Tajwar.

AE, Agência Estado

11 de fevereiro de 2011 | 12h32

Os funcionários iniciaram a greve após a apresentação de uma proposta de compartilhamento de rotas com a Turkish Airlines. A diretoria da PIA diz que o sistema vai aliviar os problemas financeiros da empresa, mas os grevistas temem cortes de pessoal e de salário. Nenhum avião da empresa decolou hoje no país e o principal escritório de reservas em Karachi, sul do país, foi fechado.

Uma manifestação pacífica de funcionários em Karachi se tornou violenta na tarde de hoje quando a polícia usou cassetetes contra um grupo de homens que estava sentado no chão do aeroporto, como mostram imagens de uma emissora privada de televisão. O policial Sohail Faiz disse que os grevistas estavam tentando danificar as instalações do aeroporto.

A greve tem um custo de cerca de US$ 6 milhões (500 milhões de rupias paquistanesas) ao dia, disse Tajwar, e deve também afetar outras partes do país, que já sofre com sérios problemas econômicos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãogreveaérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.