Afeganistão abre mais postos de votação para segundo turno

Autoridades eleitorais no país contrariam recomandação da ONU de que alguns locais fossem fechados

Agência Estado e Associated Press,

29 de outubro de 2009 | 12h00

O Afeganistão abrirá mais seções eleitorais para o segundo turno presidencial no dia 7 de novembro, informaram nesta quinta-feira, 29, funcionários locais. As Nações Unidas haviam recomendado que alguns postos de votação fossem fechados para diminuir os riscos de fraude.

 

Veja também:

Taleban ataca ONU em Cabul; carro-bomba mata 90 pessoas no Paquistão

Irmão do presidente afegão tem relações com CIA, diz 'NYT'

EUA poderão pagar militantes que renunciarem ao Taleban

Análise: Estratégia no Iraque era 'exemplo' para o Afeganistão

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

especialEspecial: As principais ações suicidas a serviço do terror

 

A decisão mostra as divergências entre a comissão eleitoral afegã e os conselheiros internacionais, que pressionam por uma eleição justa. No primeiro turno, houve centenas de denúncias de fraudes.

 

O aumento no número de seções também resultará na necessidade de mais reforços para proteger os eleitores. O Taleban já começou a cumprir suas ameaças de violência, matando na quarta-feira, 28, pelo menos cinco funcionários da ONU e três afegãos envolvidos na eleição em um atentado em Cabul.

 

O primeiro turno, em 20 de agosto, foi tão marcado por fraudes que a comissão de investigação apoiada pela ONU descartou mais de 1 milhão de votos. Com isso, o presidente Hamid Karzai teve o índice de votos recebidos recalculado para abaixo dos 50% e terá que disputar o segundo turno com o ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah.

 

Observadores afirmaram que boa parte das fraudes ocorreu por causa das chamadas "seções fantasmas", que nunca abriram mas geraram muitos votos na apuração final. A ONU recomendou a redução no total de seções, para garantir que haja monitores suficientes e que os locais funcionem de fato.

 

Apesar disso, a Comissão Eleitoral Independente planeja abrir 6.322 centros de votação. No primeiro turno, havia 6.167 desses locais. Segundo o funcionário eleitoral Zekria Barakzai, as forças internacionais e afegãs haviam afirmado que forneceriam segurança para até 6.600 seções eleitorais.

 

Outro desafio é substituir os funcionários envolvidos em fraudes no primeiro turno em tempo hábil. Abdullah já acusou a comissão de ser cúmplice na fraude e pediu a demissão do diretor do órgão, Azizullah Lodin. A campanha de Karzai e a comissão eleitoral afirmaram que Lodin permanece no posto.

 

A eleição entre os dois rivais é nacional, mas 11 distritos de 5 províncias não poderão participar, por causa de problemas de segurança ou do clima, segundo Barakzai. Em províncias como Ghazni e o Nuristão, o problema é a segurança. Já em Badakhshan, no norte, a neve já impede a passagem em vias de algumas áreas. Oito distritos não participaram no primeiro turno, lembrou o funcionário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.