Afeganistão abrirá mais postos de votação para 2º turno

O Afeganistão abrirá mais seções eleitorais para o segundo turno presidencial, marcado para o dia 7, informaram hoje funcionários locais. As Nações Unidas haviam recomendado que alguns postos de votação fossem fechados para diminuir os riscos de fraude. A decisão mostra as divergências entre a comissão eleitoral afegã e os conselheiros internacionais, que pressionam por uma eleição justa. No primeiro turno, houve centenas de denúncias de fraudes.

AE-AP, Agencia Estado

29 de outubro de 2009 | 12h02

O aumento no número de seções também resultará na necessidade de mais reforços para proteger os eleitores. O Taleban já começou a cumprir suas ameaças de violência, matando ontem, em um atentado em Cabul, pelo menos cinco funcionários da Organização das Nações Unidas (ONU) e três afegãos envolvidos na eleição.

O primeiro turno, em 20 de agosto, foi tão marcado por fraudes que a comissão de investigação apoiada pelas Nações Unidas descartou mais de 1 milhão de votos. Com isso, o presidente Hamid Karzai terá que disputar o segundo turno com o ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah.

Observadores afirmaram que boa parte das fraudes ocorreu por causa das chamadas "seções fantasmas", que nunca abriram, embora tenham contabilizado muitos votos na apuração final. A ONU recomendou a redução no total de seções, para garantir que haja monitores suficientes e que os locais funcionem de fato.

Apesar disso, a Comissão Eleitoral Independente planeja abrir 6.322 centros de votação. No primeiro turno, havia 6.167 desses locais. Segundo o funcionário eleitoral Zekria Barakzai, as forças internacionais e afegãs haviam afirmado que forneceriam segurança para até 6.600 seções eleitorais.

Substituição

Outro desafio é substituir os funcionários envolvidos em fraudes no primeiro turno em tempo hábil. Abdullah já acusou a comissão de ser cúmplice na fraude e pediu a demissão do diretor do órgão, Azizullah Lodin. A campanha de Karzai e a comissão eleitoral afirmaram que Lodin permanece no posto.

A eleição entre os dois rivais é nacional, mas 11 distritos de 5 províncias não poderão participar por causa de problemas de segurança ou do clima, segundo Barakzai. Em províncias como Ghazni e o Nuristão, o problema é a segurança. Já em Badakhshan, no norte, a neve já impede a passagem em vias de algumas áreas. Oito distritos não participaram no primeiro turno, lembrou o funcionário.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoeleiçõesvotação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.