Rahmat Gul/AP
Rahmat Gul/AP

Afeganistão ameaça atacar Taleban se grupo não interromper ataques até o final desta semana

"Se o Taleban não interromper seus ataques até o final da semana, nossas tropas atacarão o inimigo em todos os lugares", disse o ministro da Defesa, Asadullah Khalid

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2020 | 17h17

CABUL - O ministro da Defesa do Afeganistão disse neste domingo, 8, que se o Taleban não interromper os ataques até o final desta semana, o país passará do "modo de defesa" para o ataque ao grupo militante.

"As forças afegãs permanecerão em modo de defesa até o final desta semana, sob a orientação do presidente Ashraf Ghani por causa do acordo de paz, mas se o Taleban não interromper seus ataques até o final da semana, nossas tropas atacarão o inimigo em todos os lugares", Asadullah Khalid disse em um comunicado.

O Taleban anunciou neste mês que retomaria as operações contra as forças afegãs – embora continuasse a deter ataques contra tropas internacionais – depois que um acordo sobre redução da violência, que se seguiu à assinatura de um acordo de paz com os Estados Unidos em Doha, chegou formalmente ao fim.

Na última quarta-feira, 4, um ataque do Taleban matou 20 soldados e policiais no Afeganistão. Combatentes do grupo extremista atacaram pelo menos três postos do exército no distrito de Imam Sahib, em Kunduz. O ataque aconteceu horas depois de uma conversa telefônica entre o presidente americano Donald Trump e o líder político dos insurgentes do Taleban.

EUA e Taleban assinaram um acordo de paz no dia 29 de fevereiro. Assinado em Doha, no Catar, o acordo prevê que, dentro de 14 meses, os americanos e os países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vão retirar seus militares do país, caso o Taleban cumpra com uma série de compromissos estabelecidos. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.