Afeganistão anuncia acordo para força de paz

Enquanto o chanceler do governo interino afegão, Abdullah Abdullah, anunciava ter sido alcançado em Cabul um acordo para a entrada da força multinacional de paz no país, soldados dos EUA, em busca de Osama bin Laden e na esperança de obter mais informações de prisioneiros da Al-Qaeda, transferiram os detidos de seu cativeiro no norte do Afeganistão para um centro de detenção no sul, onde estão interrogando dezenas de presos. Funcionários militares dos EUA disseram que os detidos transferidos no sábado da prisão de Shibergan procedem de 14 países diferentes e que muitos deles estão vinculados à Al-Qaeda, a organização terrorista de Bin Laden.Enquanto isso, nas montanhas de Tora Bora, que foram cenário de intensas operações de busca ao chefe da Al-Qaeda, permanecem apenas 50 soldados das tropas especiais, que vigiam algumas cavernas. A notícia foi dada neste domingo pelo jornal The New York Times, segundo o qual já não é prioridade do Pentágono a busca do terrorista saudita: o "trabalho sujo" de inspecionar as galerias subterrâneas que os talebans usavam como depósitos de armamentos é feito agora por combatentes afegãos anti-Taleban. Também a atividade da aviação americana está arrefecida, salvo algumas intervenções esporádicas como a de sexta-feira passada, quando dois bombardeiros B-1B destruíram um edifício nos arredores de Gardez, ao sul de Cabul, considerado uma base dos dirigentes talebans.Em Cabul, o chanceler Abdullah afirmou à imprensa que "o acordo (sobre as forças de paz) foi alcançado", acrescentando que isto implica que a colocação das forças de paz em solo afegão se realize o mais rápido possível. "Estamos todos conscientes da urgência da situação", disse. Segundo Abdullah, a operação terá início com o envio de um contingente a Cabul. Em seguida, outros contingentes da força multinacional serão enviados a outras partes do país.Um oficial britânico foi encarregado de conduzir as negociações com o governo afegão em nome da comunidade internacional. Ao mesmo tempo, em Islamabad, no Paquistão, a agência afegã AIP divulgava que pelo menos 15 civis afegãos morreram durante os bombardeios aéreos dos EUA a uma localidade da província de Paktia (Afeganistão ocidental). Segundo a AIP, os bombardeios ocorreram na madrugada deste sábado sobre a localidade de Shekhan, a 20 quilômetros de Gardez. A agência recordou que, após o fim dos bombardeios sobre Tora Bora, a aviação americana se concentrou sobre a província de Paktia, embora não esteja confirmada a presença, ali, de membros do Taleban ou da Al-Qaeda.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.