Afeganistão busca formas de acabar com cultivo do ópio

O presidente Hamid Karzai disse nesta quinta-feiraque o Afeganistão terá de oferecer cultivos alternativos aplantadores de papoula para que se possa erradicar a produção deópio que, segundo estimativas de autoridades da Organização das Nações Unidas (ONU), será de2.500 toneladas este ano.O número coloca o país destroçado pela guerra entre os maioresprodutores do mundo, possivelmente a maior nação exportadora deópio.A estimativa seria um grande aumento em comparação com 2001,quando o país produziu 185 toneladas de ópio sob o antigo regimeTaleban, de acordo com o Programa Internacional de Controle deDrogas da ONU. A produção em 2000 foi de 3.276 toneladas, antesde o Taleban proibir o cultivo de papoula. Karzai pediu à comunidade internacional para ajudar aerradicar o tráfico de ópio, que estaria ameaçando aestabilidade de seu governo e prejudicando o crescimentoeconômico. "A vitória nessa guerra é vital não apenas para o povo doAfeganistão, mas também para toda a comunidade internacional",disse Karzai num comunicado lido em seu nome no início de umaconferência de controle de narcóticos em Cabul. Mas Karzai afirmou que é vital oferecer cultivos alternativosaos plantadores. Muitos fazendeiros se apóiam fortemente navenda de ópio para alimentar suas famílias. "Eles precisam ver a evidência física nos campos, que somoscapazes de oferecer outros meios para eles melhorarem suasvidas", disse Karzai. O representante especial da ONU para o Afeganistão, LakhdarBrahimi, afirmou que o desafio de erradicar a produção de ópioera "assombroso", uma tarefa de longo prazo. A produção de papoula cresceu dramaticamente depois que osEstados Unidos derrubaram o governo taleban no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.