Afeganistão: conservadores bloqueiam direitos femininos

Parlamentares conservadores bloquearam uma lei cujo objetivo é proteger as liberdades das mulheres, alegando que partes dela violam princípios islâmicos, disse um legislador afegão. O fracasso mostra o quão tênues permanecem os direitos das mulheres anos após a derrubada do regime linha-dura do Taleban.

AE-AP, Agência Estado

18 de maio de 2013 | 14h21

A lei, na verdade, está em vigor desde 2009 por decreto presidencial. O legislador Fawzia Kofi busca aprovação com votação parlamentar para evitar a reversão dela no futuro. Entre suas providências da lei estão a proibição do casamento infantil e da tradicional prática de vender e comprar mulheres para resolver disputas.

Kofi disse que a lei foi apresentada no Parlamento neste sábado, mas encontrou uma oposição tão feroz que foi retirada. Não ficou imediatamente claro quais partes se opuseram.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãomulheresdireitos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.