Afeganistão corre risco de virar "narco-Estado", diz ONU

O Afeganistão está a caminho de transformar-se em um "narco-Estado", alerta a ONU, em um relatório. Por esse motivo, os Estados Unidos e a Otan deveriam envolver-se mais no combate ao narcotráfico no país, sugere a agência das Nações Unidas que acompanha o combate ao crime e às drogas. "Seria um erro histórico abandonar o Afeganistão à mercê do ópio logo depois de o país ter sido retomado do Taleban e da Al-Qaeda", analisou Antonio Maria Costa, diretor-executivo da Agência da ONU de Combate ao Crime Organizado e às Drogas. "O combate ao narcotráfico é similar ao combate ao terrorismo", afirmou Costa. A agência descobriu que o cultivo de ópio - matéria-prima para a produção de heroína - aumentou cerca de dois terços este ano no Afeganistão. Condições climáticas e pragas impediram a produção de atingir um novo recorde. Apesar disso, o Afeganistão foi responsável por 87% da produção mundial de ópio em 2004, de 76% em 2003, segundo os dados da ONU. O ópio é hoje "o principal motor do crescimento econômico afegão e o vínculo mais forte entre povos antes em conflito", revela o relatório. O comércio de ópio afegão foi responsável por US$ 2,8 bilhões, o que equivale a 60% do produto interno bruto do país em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.