Afeganistão declara luto após atentado que matou 42 pessoas

Em entrevista coletiva, presidente afegão atribuiu ataque suicida aos "inimigos do país"

Efe,

07 de novembro de 2007 | 06h35

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, declarou nesta quarta-feira, 7, três dias de luto pelo brutal atentado terrorista de terça-feira no norte do país, no qual morreram 42 pessoas, entre elas seis deputados. Em entrevista coletiva, Karzai condenou o ataque, que ele atribuiu aos "inimigos do Afeganistão". O governo normalmente usa a expressão para se referir aos insurgentes talebans. O presidente afegão confirmou que no atentado, na província de Baghlan, morreram 35 civis. Várias pessoas ficaram feridas, entre elas professores, estudantes e idosos. Karzai se mostrou convencido de que foi um ataque suicida. Mas uma equipe de investigação foi enviada ao local. Por ordem do presidente, a bandeira afegã tremulará a meio pau durante os três dias de luto, em homenagem às vítimas. A explosão de terça-feira atingiu uma comitiva de deputados que visitava Baghlan, além de estudantes e moradores que tinham se reunido numa fábrica de açúcar para dar as boas-vindas aos parlamentares. Foi um dos piores atentados cometidos no país desde a queda do regime taleban, em 2001.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.