Afeganistão fecha duas companhias de segurança privada

Agentes na mira das autoridades afegãs são suspeitos de envolvimento em casos de homicídio e latrocínio

Agência Estado e Associated Press,

11 de outubro de 2007 | 11h59

Autoridades afegãs fecharam esta semana duas companhias de segurança privada e anunciaram que mais de dez serão lacradas em breve. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 11, por autoridades locais e confirmado por funcionários de governos estrangeiros em Cabul.   Veja também: ONU pede investigação por morte de civis   Agentes de algumas das empresas na mira das autoridades afegãs são suspeitos de envolvimento em casos de homicídio e latrocínio.   As duas companhias de segurança privada fechadas nesta quinta são as afegãs Wathan e Caps, ambas com sede em Cabul. Oitenta e duas armas ilegais foram apreendidas, disse o general de polícia Ali Shah Paktiawal.   Sob condição de anonimato, uma fonte ocidental revelou que há diversas companhias estrangeiras entre as dez que serão fechadas em breve, mas não revelou quais seriam elas.   A ação do governo afegão coincide com a polêmica com relação à impunidade em torno da atuação de agentes de segurança privados no Iraque.   A Blackwater USA, a maior empresa americana de proteção particular para diplomatas dos EUA no país, é acusada de matar 17 civis ao abrir fogo em uma praça no centro de Bagdá em setembro. Os guardas justificam a ação dizendo que responderam a um ataque armado.   As Nações Unidas (ONU) pediram nesta quinta que os EUA garantam que as empresas que atuam no Iraque respondam pela morte de civis.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãosegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.