Afeganistão planeja reunião com líderes do Talebã

Fontes disseram à BBC que o presidente Hamid Karzai está negociando um encontro com os insurgentes.

Quentin Sommerville e Bilal Sarwary, BBC

29 de janeiro de 2012 | 11h42

O governo do Afeganistão está planejando um encontro com integrantes do Talebã na Arábia Saudita, segundo informações obtidas pela BBC neste domingo.

O encontro acontecerá nas próximas semanas, antes da abertura do escritório do Talebã no Catar, segundo fontes oficiais ocidentais e do Afeganistão.

O Talebã não reconhece oficialmente o governo de Karzai, mas fontes em Cabul afirmam que o grupo aceitou participar de uma reunião.

A BBC entrou em contato com o grupo, mas o Talebã não quis comentar a informação.

Uma autoridade afegã disse à BBC: "Mesmo que o escritório do Talebã se estabeleça no Catar, nós vamos evidentemente perseguir outros esforços na região incluindo [negociações via] a Arábia Saudita e a Turquia."

"A Arábia Saudita já desempenhou um papel importante no passado. Nós valorizamos isso e esperamos mais apoio e contato com a Arábia Saudita para dar sequência ao processo de paz", disse a fonte.

Estados Unidos

O jornal britânico Daily Telegraph publicou neste domingo uma reportagem na qual afirma que autoridades do Talebã já estão no Catar para abrir o escritório do grupo.

A delegação inclui o ex-vice-ministro de Relações Exteriores do grupo, Sher Mohammad Stanakzai, o ex-embaixador na Arábia Saudita, Shabudin Dilawari, e um assessor do líder Mullah Omar.

Os detalhes para abertura do escritório ainda não foram acertados.

Há temores de que o Talebã use a estrutura no Catar para arrecadar recursos e para ganhar tempo antes da retirada total de tropas estrangeiras do país, prevista para o final de 2014.

O governo afegão tem demonstrado irritação com a tentativa dos Estados Unidos e do Catar de negociar com o Talebã, sem consultar a administração de Karzai.

O Afeganistão acredita que essas negociações dariam prioridade a uma troca de prisioneiros entre o Talebã e os Estados Unidos.

Os americanos exigem que três cidadãos seus sejam devolvidos pelos insurgentes, entre eles o soldado Bowe Bergdahl e o funcionário de uma ONG Warren Weinstein. Eles estão presos na cidade de Miranshah, na província do Waziristão do Norte.

Já as autoridades dos Estados Unidos detêm cinco líderes rebeldes na prisão de Guantanamo.

Paquistão

A liderança do Talebã está dividida. Uma das facções exige que todas as tropas estrangeiras deixem o Afeganistão antes de qualquer processo de negociação. Já outros líderes talebãs se mostram mais abertos ao diálogo.

Enquanto isso, o governo de Karzai está tentando melhorar as relações bilaterais com o Paquistão. Três dos principais grupos de insurgentes no Afeganistão estão hoje baseados no país vizinho.

O apoio do governo paquistanês a qualquer processo de paz é considerado fundamental para o sucesso das negociações.

A ministra das Relações Exteriores do Paquistão, Hina Rabbani Khar, está com uma visita programada para Cabul nos próximos dias.

O Afeganistão espera que o governo do país vizinho entregue às suas autoridades dois líderes talebãs que estão sob sua custódia: Mawli Kabir e Mawli Sadrazam. A medida seria um gesto de apoio do Paquistão ao processo de paz, segundo autoridades afegãs. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.