Afeganistão promete combater corrupção

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani Ahmadzai, prometeu neste sábado reprimir a corrupção e garantir a segurança no país, apesar de ataques insurgentes em Cabul, no leste do país, terem matado 12 militares.

Estadão Conteúdo

01 de novembro de 2014 | 12h17

Em declarações feitas após uma visita de quatro dias à China, Ahmadzai afirmou que aqueles que desviaram quase US$ 1 bilhão do Kabul Bank em 2010 enfrentarão a Justiça nos tribunais. O incidente dizimou a confiança dos investidores no já anêmico setor financeiro do país.

Ghani Ahmadzai fez da batalha contra a corrupção endêmica uma iniciativa política central. Uma de suas primeiras ações, após assumir o cargo, foi a de reabrir o caso do Kabul Bank e iniciar um processo contra os acusados de usarem o banco como caixa para uso pessoal.

Em relação à segurança, o presidente disse que a China está comprometida em ajudar a promover a paz ao Afeganistão, depois de mais de 30 anos de guerra e que o território afegão nunca mais seria usado como base para que insurgentes lancem ataques contra outros países.

Ahmadzai convidou o Taleban a se juntar no processo de paz apoiado pela comunidade internacional, sua primeira referência direta aos insurgentes que aprofundaram os ataques destinados a derrubar seu governo, que tem apenas um mês. "A paz não é fácil, mas isso é compulsório", disse durante entrevista coletiva transmitida ao vivo pela televisão nacional. "Se fazer a paz fosse fácil, nós teríamos feito antes."

O presidente afegão não fez nenhuma proposta para negociações de paz com o Taleban. Enquanto isso, a violência matou neste sábado 12 membros das forças de segurança na província Logar, no leste do país.

O porta-voz do governo da província, Din Mohammad Darwesh, disse que um carro-bomba matou seis policiais e três soldados no distrito de Azra. Ele afirmou também que a explosão feriu cerca de 20 civis e destruiu prédios. O Taleban assumiu a responsabilidade pelo ataque. Logo depois, uma bomba explodiu em uma rodovia, matando três policiais e ferindo outros três no distrito de Baraki Barak, segundo o porta-voz. Ninguém assumiu de imediato a autoria da explosão.

Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoGhani

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.